Fusca & Cia - Edição 151Add to Favorites

Get Fusca & Cia along with 5,000+ other magazines & newspapers

Try FREE for 7 days

bookLatest and past issues of 5,000+ magazines & newspapersphoneDigital Access. Cancel Anytime.familyShare with 4 family members.

1 Year$99.99

bookLatest and past issues of 5,000+ magazines & newspapersphoneDigital Access. Cancel Anytime.familyShare with 4 family members.
(Or)

Get Fusca & Cia

Buy this issue $5.99

bookEdição 151 issue phoneDigital Access.

Gift Fusca & Cia

  • Magazine Details
  • In this issue

Magazine Description

In this issue

Da mesma forma que, hoje em dia, cada montadora desenvolve um produto visando tecnologias do futuro como carros híbridos, elétricos ou movidos a hidrogênio, os fabricantes da década de 20 e 30 estavam direcionados pela praticidade e uso de motores de baixa cilindrada e boa eficiência, como é o caso dos motores aircooleds montados em posição traseira. Existiam diversas vantagens nesta montagem, como o desenho da frente dos carros com melhor aerodinâmica, mais baixos e com curvas, algo que não poderia ser pensado nas décadas anteriores, em que o desenho dos carros era baseado em carruagens. Além de possibilitar um traço diferente para a traseira dos carros, com uma caída mais suave. Os motores refrigerados a ar começaram a ser desenvolvidos no início do século XX, com uso destinado principalmente para motocicletas. Não é difícil imaginar a evolução natural para sua aplicação em automóveis, como é o caso da Standard Fahrzeugfabrik, até então, fabricante de motocicletas que encomendou a Josef Ganz o Superior, um compacto que usaria motor aircooled. Paralelamente, outros fabricantes europeus na vanguarda do desenvolvimento destes motores tinham projetos engatilhados. Ferdinand Porsche, após a saída da Steyr Automobile, fundou sua consultoria em 1931 e criou o protótipo Type 12 para a Zündapp. No mesmo ano, outro protótipo era apresentado pela Tatra, o V570 de Hans Ledwinka. Havia semelhança entre os modelos, estes três engenheiros citados eram próximos e isso ajudava na produção e no avanço da tecnologia. A frente do Superior era igual ao Tatra 11, a traseira do Type 12 era semelhante ao do Superior. Muito se fala em roubo de projetos, cópias, porém os projetos foram concebidos paralelamente. Cada engenheiro deu seu toque especial para o aprimoramento de um veículo leve e popular.

  • cancel anytimeCancel Anytime [ No Commitments ]
  • digital onlyDigital Only